Você sabe o que é “Crechite”?


          Crianças saudáveis que frequentam creches tem 10 vezes mais chances de contraírem doenças comuns da infância, especialmente as menores de 2 anos de idade.

            A “crechite” é definida como episódios frequentes e recorrentes de infecções: resfriados comuns, bronquiolites, faringites, conjuntivites, gastroenterites, otites e até mesmo pneumonias. Estas infecções têm um impacto social e econômico importante na sociedade e nas famílias. Estes pquadros podem ser prolongados gerando grande ansiedade aos pais e idas aos serviços de emergência em busca de rápida resolução.

            A creche é necessária para muitas famílias que trabalham. Mais de 50% das mulheres brasileiras trabalham fora e destas 60% têm filhos que frequentam creches.

 

            As infecções mais comuns:

 

•         Infecção viral do trato respiratório – É a principal infecção adquirida na creche.

Crianças que frequentam creches têm 50% mais chances de adquirirem infecções respiratórias quando comparadas às que ficam em casa.

A maioria destas infecções são autolimitadas, mas não estão livres de complicações.

 

            A prevenção pode ser realizada com diminuição do número de crianças por turma, limpeza regular dos brinquedos de uso comum, práticas adequadas de higiene dos cuidadores, principalmente os que cuidam de menores de 1 ano. A lavagem das mãos é a forma mais importante de prevenção.  Para as crianças de 1 a 3 anos, esta prevenção fica mais difícil pelo comportamento de exploração do ambiente e da grande relação de troca e de intimidade entre eles nesta faixa etária.

 

•         Infecções gastrointestinais – A diarréia infecciosa é a segunda infecção mais comum adquirida na creche. A maioria ainda não possui controle esfincteriano o que torna mais fácil a disseminação dos germes.

A transmissão ocorre por contato com perdigotos (pessoa-pessoa) ou com as fezes contamidadas.

A lavagem das mãos é a forma mais eficaz de prevenção.

 

            O que fazer para reduzir os casos de “crechite”:

 

1.      Vacinação

2.      Medidas de higiene adequadas

3.      Treinamento e informação aos funcionários das creches: lavagem das mãos e uso de ácool gel.

4.      Evitar disseminação dos vírus – criança doente não pode frequentar creche.

 

            Vantagens de se contrair “crechite”:

 

            Estudos evidenciam que as crianças que frequentam creches maturam mais rapidamente seu sistema imune, diminuindo infecções e doenças alérgicas futuras.

            Não desanime! Mesmo as crianças ficando frequentemente doentes, não existem evidências de que isto cause qualquer problema no futuro. Esqueçam da possibilidade de problemas no sistema imunológico. As infecções em sua maioria são benignas e autolimitadas. O seu número é elevado devido à convivência com tantas outras crianças de sua idade e não a distúrbios de imunidade. Após o terceiro ano da creche, a frequência de doenças é similar aquelas que ficam em casa.

Christine Tamar
Pediatra e Pneumologista infantil
Mestre em Pediatria pela UFF
MBA em gestão de saúde pela COPPEAD - UFRJ
Coordenadora do serviço de pediatria do CHN

Um comentário:

  1. Bom texto! Estava comentando sobre este assunto com uma amiga, cuja filha está passando por essa fase.
    Tenho uma pergunta. Considerando que os quadros são de infecções comuns da infância, o que se recomenda fazer: levar sempre a criança ao serviço de emergência e talvez expor a outros tipos de microorganismos até mais graves ou tentar o controle em casa com contato com o pediatra? Obrigada.

    ResponderExcluir