Esclarecimentos Sarampo e Poliomielite


A erradicação da poliomielite – que provoca a paralisia infantil –, desde 1990, e do sarampo, desde 2016, é a principal hipótese do Ministério da Saúde para a recente baixa no número de vacinações contra as doenças.
Em 312 municípios do Brasil, menos da metade das crianças com até 1 ano foram imunizadas contra a pólio e o risco de contaminação também existe onde a cobertura está abaixo de 95%. Ao mesmo tempo, há um surto de sarampo em Roraima e no Amazonas.
E já tivemos 1 caso confirmado aqui no Rio e mais 4 suspeitos.
A lógica adotada, porém, deve ser oposta. A erradicação não é uma barreira à disseminação das doenças, mas um estado de saúde de quem vive dentro das fronteiras brasileiras. Quem não for imunizado pode se contaminar em outro país ou ser contaminado por alguém que venha visitar o Brasil e reintroduzir o vírus. Há um desconhecimento sobre a importância e os benefícios das vacinas e, por isso, é preciso desmistitificar a ideia de que ela traz malefícios.
Em alguns casos, as vacinas podem levar a eventos adversos, assim como ocorre com os medicamentos, mas são infinitamente menores que os malefícios trazidos pelas doenças. É principalmente no momento de calmaria (quando não há surtos das doenças) que a população deve se vacinar. Ou seja, enquanto a doença não está circulando.

Conheça um pouco das doenças de que falo:

📌Poliomielite

Também chamada de "paralisia infantil", a doença infecto-contagiosa é transmitida por um vírus e caracterizada por um quadro de paralisia flácida.
O início é repentino e a evolução do déficit motor ocorre, em média, em até três dias. A doença acomete, em geral, os membros inferiores, de forma assimétrica, tendo como principal característica a flacidez muscular.
Para evitar contaminação, a primeira dose da vacina deve ser aplicada na criança aos 2 meses de vida. A segunda, aos 4 meses; a terceira, aos 6 meses; e a quarta dose (chamada de reforço) com 1 ano e 3 meses.
O ministério entende por "criança adequadamente vacinada" aquela que recebeu três ou mais doses da vacina oral contra a poliomielite, com um intervalo mínimo de 30 dias entre cada uma.
O Brasil está livre da poliomielite desde 1990, segundo o Ministério da Saúde. Em 1994, o país recebeu a Certificação de Área Livre de Circulação do Poliovírus Selvagem da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

📌Sarampo
Doença infecciosa aguda, transmitida por vírus, de caráter grave e "extremamente contagiosa", o sarampo é transmitido pelo ar e por contato físico.
A presença do vírus no sangue provoca uma "vasculite generalizada" – inflamação dos vasos sanguíneos –, além de tosse, coriza, olhos inflamados, dor de garganta, febre e irritação na pele com manchas vermelhas.
A vacinação é a única maneira de prevenir a doença. A recomendação é que as crianças sejam imunizadas aos 12 meses e, depois, tomem uma segunda dose com 1 ano e 3 meses.
O Brasil recebeu o certificado da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) de eliminação da doença em setembro de 2016. Segundo o Ministério da Saúde, entre 2013 e 2015, pessoas contaminadas vindas de outros países provocaram surtos da doença. Neste período, foram registrados 1.310 casos.

⚠️Fica o alerta! Vacinem seus filhos! É doloroso sim, mas só por alguns segundos e pode proteger de uma série de doenças que podem inclusive levar a óbito!
Não acreditem em boatos ou falatórios sobre “malefícios” das mesmas!
Vacina ainda são os melhores métodos de prevenção em saúde.

Por:
Dra. Christine Tamar e Pneumologista infantil
Mestre em Pediatria pela UFF
MBA em gestão de saúde pela COPPEAD - UFRJ
Coordenadora do serviço de pediatria do CHN
@dra_christinetamar

Nenhum comentário:

Postar um comentário