Pico de crescimento, salto de desenvolvimento

FASES DE PICO DE CRESCIMENTO E SALTO DE DESENVOLVIMENTO

 

Sempre me baseio em dúvidas que minhas mamães apresentam nas consultas para escrever esses posts e com isso ajudar outras mamães. Essa semana a queixa que mais se destacou foi: “ele era um ajno”, mamava e dormia e agora chora mais, dorme menos, mama mais, algo está errado.

Na verdade esse bebê está passando por um pico de crescimento. 

Vamos falar um pouco sobre esses “picos” e “saltos”!


O QUE SÃO ESSAS FASES?

Os bebês não crescem equilibradamente, um pouquinho a cada dia. Na verdade, eles sofrem uma espécie de estirão em algumas fases da vida. Da mesma forma, o seu ritmo de desenvolvimento também não é constante e há alguns períodos específicos nos quais nossos pequenos desenvolvem mais fortemente algumas habilidades. Esses períodos, nos quais eles dão uma esticada ou aprendem algo novo,  chamamos de fase de pico de crescimento e salto de desenvolvimento, respectivamente.O primeiro ano da criança é uma fase de mudanças extraordinárias para toda a família. Esse período é excitante e desafiador, quando bebês aprendem a comunicar suas necessidades e pais aprendem como atendê-las.

Você pode pensar que o desenvolvimento do seu bebê (como aprender a rolar, engatinhar e andar) e seu crescimento não tem nada a ver com o sono, mas a verdade é que caminham juntos!

E O QUE PODE ACONTECER NESSAS FASES?

Os principais “sintomas” dessas fases são sono mais agitado e alterações no apetite (o bebê pode comer mais ou menos).
Além disso, no período que imediatamente antecede o chamado salto de desenvolvimento, o bebê repentinamente pode se sentir perdido no mundo, pois seus sistemas perceptivo e cognitivo mudaram, houve uma maturidade neurológica, mas não tempo hábil para adaptação às mudanças. 

Então o mundo lhe parece estranho, e o resultado da ansiedade gerada é geralmente desejar voltar para sua base, ao que já lhe é conhecido, ou seja, a mamãe! Em vista disso, é comum ficarem mais carentes, precisando de mais colo, e com frequência há também alterações em seu apetite e sono. 


Já no que diz respeito à fase de pico de crescimento, o mais comum mesmo é o bebê querer mamar/comer mais e mais vezes ao dia ou à noite, por isso também o sono mais agitado.

 

POR QUE ISSO ACONTECE?

Os bebês costumam comer mais justamente porque nesse período estão crescendo e precisam de mais calorias. Já o sono fica agitado porque eles acabaram de aprender uma habilidade nova e querem colocá-la em prática, a todo momento, ou seja, até dormindo.

 

EM QUE MOMENTO DA VIDA ESSAS FASES SÃO MAIS COMUNS?

No primeiro ano de vida da criança. A cada poucas semanas lá vem uma dessas fases para nos tirar um pouco do sério. Nem todas são super perceptíveis, ou seja, nem todas elas fazem a casa virar de pernas para o ar, mas algumas fazem realmente alguma diferença na rotina.

E QUANTO TEMPO ESSAS FASES PODEM DURAR?

Elas podem durar desde dias até semanas. 

TODOS OS BEBÊS PASSAM POR ESSAS FASES?

Sim, todos passam por elas (afinal, todos crescem e se desenvolvem), mas alguns demonstram mais que estão vivendo/passando por um desses momentos delicados. Muitos bebês não tem nenhuma das “reações” descritas acima e os pais nem percebem que eles estão em uma das fases de pico de crescimento ou salto desenvolvimento. 

O QUE OS PAIS PODEM FAZER QUANDO O BEBÊ ESTÁ PASSANDO POR UMA DESSAS FASES? COMO AJUDAR O BEBÊ E COMO SOBREVIVER A ESSE MOMENTO CONTURBADO?

Ter paciência. Depois que o bebê supera a fase na qual se sente meio perdido no mundo (principalmente nas fases de pico de crescimento eles ficam ansiosos, não sabendo como lidar com a habilidade recém adquirida), ele volta a ser o bebê de sempre só que ainda mais feliz, pois superou o desafio e está pronto para aproveitar um pouquinho mais a vida.

E EM QUAIS MOMENTOS ESPECÍFICOS DA VIDA DO BEBÊ ESSAS FASES ACONTECEM?

Abaixo eu coloco uma listinha das “idades” nas quais os bebês costumam ter suas fases de pico de crescimento e salto de desenvolvimento. Vocês irão perceber que a toda hora tem uma ou outra, então pode parecer que vamos viver um eterno caos. Mas, na verdade, o que acontece é que algumas dessas fases são mais intensas (bebê se descobre como um ser separado da mãe, bebê aprende a sentar, bebê aprende a engatinhar, bebê aprende andar…) e outras menos (aí os pais nem percebem que estão passando por uma).

Bom, vamos às famosas fases…

Fases de salto de desenvolvimento:
• 5 semanas (1 mês): mudanças significativas na visão
• 8 semanas (quase 2 meses): diferenças nos sons, cheiros e sabores ficam mais perceptíveis. Bebê percebe que as mãos e os pés pertencem ao corpo e começa a tentar controlar estes membros.
• 12 semanas (quase 3 meses): bebê enxerga mais longe, começa a se virar quando escuta um som, torna-se mais sensível às novidades.
• 19 semanas (4 meses e meio): desenvolvimento motor mais aguçado. O bebê pode começar a virar de costas e de barriga, se arrastar. Esse é um dos saltos mais longos: dura cerca de 4 semanas, podendo porém se estender por até 6 semanas. O bebê também fica mais carente costuma ter alteração significativa do sono. É uma das fases que o bebê fica mais irritadiço.
• 26 semanas (6 meses): maior coordenação dos braços e das pernas. Bebê senta sem apoio. Costuma reclamar quando a mãe sai de perto.
• 30 semanas (7 meses): o bebê tenta se jogar adiante para alcançar objetos, bate um objeto em outro. Pode começar a engatinhar, a falar algumas sílabas e entende melhor o conceito de permanência das coisas. Pode fazer sinal de tchau. Sente ansiedade com estranhos.
• 37 semanas (8 meses e meio): o bebê fica ‘temperamental’, chora com mais frequência. Quer ter mais atividades e protesta se não as tem! Ainda, não quer que troquem sua fralda. Dorme menos, tem menos apetite, movimenta-se menos e “fala” menos. Passa a entender que as coisas podem ser classificadas, por exemplo, sabe o que é comida e o que é animal. Pode começar a engatinhar .
• 46 semanas (quase 11 meses): bebê costuma começar a entender o funcionamento de algumas coisas: chaves em fechaduras, meias nos pés, etc… Pode levantar-se por alguns segundos, movimentar-se mais, entender o “não” e instruções simples.
• 55 semanas (quase 13 meses): geralmente a fase em que o bebê começa a andar – um salto no desenvolvimento bem significativo.
• 64 semanas (quase 15 meses): uso de palavras e gestos para expressar o que quer. Começa a comer sozinho e atende a instruções simples (ex: venha aqui, dê um beijo).
• 75 semanas (17 meses): o bebê usa cerca de 6 palavras regularmente, gosta de jogos de imitação, gosta de esconder brinquedos, alimenta uma boneca, joga bola, dança, separa brinquedos por cor, formato e tamanho. Olha livros sozinho e rabisca bem.
Fases de pico de crescimento:
• 7-10 dias
• 2-3 semanas
• 4-6 semanas
• 3 meses
• 4 meses
• 6 meses
• 9 meses (mais ou menos).

Picos de crescimento

Picos de crescimento são fenômenos que se referem ao 

crescimento do bebê em si, e não ao seu desenvolvimento. 

Nos períodos de picos os bebês começam a solicitar mais 

mamadas do que o usual, pois precisam de mais alimento 

para crescer nesse ritmo agora mais acelerado. Então o bebê 

que dormia longos períodos à noite pode começar a acordar 

mais e solicitar mais mamadas. Esta necessidade geralmente 

dura de poucos dias a uma semana, seguido de um retorno 

ao padrão menor de mamadas, mas agora com o organismo 

da mãe adaptado a produzir mais leite.

É muito importante respeitar a demanda aumentada de mamadas, pois somente com a livre demanda é que a produção de leite materno se ajusta perfeitamente às necessidades do bebê.

Nesses períodos a mãe pode interpretar incorretamente a maior demanda de mamadas do bebê - ela pode achar que seu leite não está sendo suficiente, ou que está ‘fraco’ e pensar que a solução para a situação é oferecer complemento de leite artificial. Porém, é um erro oferecer mamadeiras com leite artificial nesses períodos, pois isso prejudica o equilíbrio perfeito da natureza de produzir o leite conforme a demanda de mamadas. Em outras palavras, ao dar leite artificial perde-se um estímulo poderoso no peito, o organismo assim entende que não precisa daquela mamada, e passa a produzir menos e não mais como é necessário!

Os picos continuando acontecendo no decorrer do crescimento da criança, incluindo a adolescência, momento em que mudanças físicas e emocionais são mais notáveis. 

 

Lembrem se:

 

Bebês precisam mamar o tempo todo- e precisam estar contigo o tempo todo. Essa é sua satisfação máxima. 

Um bebê mamando no peito de sua mãe está obtendo componentes para desenvolvimento de seu sistema imune, ativando seu timo, se aquecendo, se sentindo quentinho e confortável, seguro de predadores, tendo padrões de sono normais e ativando seu cérebro (ah, e inclusive) adquirindo alimento para esses processos. Eles não estão somente "famintos" – eles estão obedecendo seus instintos de sobrevivência.


Christine Tamar

Pediatra e Pneumologista infantil

Mestre em Pediatria pela UFF

MBA em gestão de saúde pela COPPEAD - UFRJ

Coordenadora do serviço de pediatria do CHN

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário